Organização Conjunta: UMa-CIERL e PORTA33
Ana Cristina Joaquim
Curso livre Herberto Helder em Diálogo
Porta33 >12/14/17/19/21/24 de Junho de 2017
A Chave em Volta, vídeo 13’:58’’
São Paulo, Maio de 2017

Depoimento de Marcelo Ariel, realizado por Serguei Dias,
para o curso Herberto Helder em Diálogo de Ana Cristina Joaquim
Argumento de Ana Cristina Joaquim
Produzido por Serguei Dias
A Chave em Volta:
© Marcelo Ariel
© Ana Cristina Joaquim
© Serguei Dias

Partindo-se de uma obra que se apresenta na contramão de qualquer investida comunitária — “A poesia é feita contra todos, e por um só; de cada vez, um e só” (Photomaton & Vox) — trata-se de explorar as possibilidades dialógicas e considerar as tensões que permeiam esse universo criativo em relação às manifestações culturais vigentes. Num primeiro momento, importa contextualizar a actividade criativa de Herberto Helder, tendo em conta os diálogos que manteve com os seus pares, bem como a relação que estabeleceu com os grupos literários do seu tempo, com foco na sua passagem pela Poesia Experimental, nas actividades do Café Gelo, na crítica que dirige ao neo-realismo e contra o surrealismo enquanto escola literária. Num segundo momento, trata-se de fazer uma apresentação das directrizes poéticas explicitadas pelo autor, com o objectivo de perscrutar a noção de autoria — indissociável da noção de obra —, para, a partir de uma noção de subjectividade lírica expandida, pensar outras formas de diálogo. Trata-se, ainda, como extensão da actividade crítica, de propor diálogos entre algumas características presentes na poesia de Herberto e na poesia de dois autores brasileiros seus contemporâneos: Roberto Piva (1937-2010) e Hilda Hilst (1930-2004). Por fim, trata-se de sondar o diálogo directo proposto pelo poeta Marcelo Ariel (1968) com Herberto Helder. É ainda objectivo do curso, mediante a oferta de ferramentas de leitura, exercitar as possibilidades dialógicas, críticas e criativas dos formandos através de dinâmicas de actividade em formato de workshop.

Ana Cristina Joaquim | São Paulo | 2017

12 e 19 de Junho [segundas das 20:30h às 23:30h]
14 e 21 de Junho [quartas das 20:30h às 23:30h]
17 e 24 de Junho [sábados das 10:00h às 13:00h e das 15:00h às 18:00h]

 

Curso livre orientado por Ana Cristina Joaquim: “HERBERTO HELDER EM DIÁLOGO”

Ana Cristina Joaquim: Doutorada em Literatura Portuguesa pela Universidade de São Paulo, Brasil.

Curso em processo de validação pela Secretaria Regional da Educação (25 horas)
Frequência no valor de 20 euros mediante inscrição prévia para o e-mail:
estudos.herberto.helder@mail.uma.pt

Pagamento por transferência bancária (Universidade da Madeira):
PT50 0033 0000 00008562288 05
Capacidade máxima do curso: 30 inscrições

12/06 (segunda-feira) : 3 horas

  • Contextualização da cena poética da segunda metade do século XX em Portugal e apresentação dos modos como Herberto Helder se insere nesse contexto;
  • Leitura e debate de textos que Herberto Helder escreveu em diálogo (Cruzeiro Seixas, Mário Cesariny, José Sebag, António José Forte, Edmundo de Bettencourt, Raul Brandão).

14/06 (quarta-feira) : 3 horas

  • Continuação do último tópico da aula anterior;
  • Autoria expansiva ou a morte do autor? (poemas mudados para o português, Edoi Lelia Doura)

17/06 (sábado) : 3 + 3 horas
manhã: continuação do último tópico da aula anterior

  • Exibição do filme As deambulações do mensageiro alado, de Edgar Gonsalves Preto (1969): 12 min.
  • Exibição do documentário Herberto Helder – Meu Deus faz com que eu   seja sempre um poeta obscuro, de António José Almeida (2007): 55 min.

tarde: apresentação de proposta para workshop: diálogos possíveis

    • visita e debate a partir da exposição Desenhos em volta dos passos de Herberto Helder, de Mariana Viana
    • início das atividades dos alunos (workshop)

19/06 (segunda-feira) : 3 horas

  • Apresentação do poeta Roberto Piva, seguida de leitura dialógica com HH
  • Exibição do documentário Roberto Piva, Assombração urbana, de Valesca Canabarro Dios (2004): 55min.

21/06 (quarta-feira) : 3 horas

  • Apresentação da poeta Hilda Hilst, seguida de leitura dialógica com HH
  • Exibição do vídeo: “Hilda Hilst, voz Espírito” (tci evp), de 1979: 10 min. 3 seg.
  • Exibição do curta metragem “A obscena senhora silêncio”, de Leandra Lambert (2001): 15 min. 26 seg.

24/06 (sábado): 3 + 3 horas
manhã: entrelaçamento: Helder, Piva, Hilst

    • apresentação do poeta Marcelo Ariel, seguida de leitura dialógica com HH
    • exibição de entrevista com o poeta Marcelo Ariel (vídeo Entrelinhas – Marcelo Ariel, 2009: 6 min. 48 seg.) 

tarde:  finalização das atividades com apresentação dos resultados a que chegaram os alunos, por meio do workshop.


ARIEL, Marcelo (2011). A segunda morte de Herberto Helder. São Paulo: Editora 21 Gramas/ selo Sereia Ca(n)tadora.
__________ (2016). Com o daimon no contrafluxo. São Paulo: Patuá.
BARTHES, Roland (2004). O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
DINIZ, Cristiano (Org.) (2013). Fico besta quando me entendem: entrevistas com Hilda Hilst. São Paulo: Editora Globo.
EIRAS, Pedro (2005). Esquecer Fausto: a fragmentação do sujeito em Raul Brandão, Fernando Pessoa, Herberto Helder e Maria Gabriela Llansol. Porto: Campo das Letras.
__________ (2015). “Herberto Helder, poeta apocalíptico”. Relâmpago – Revista de Poesia, nº 36/37, Abril/Outubro de 2015, pp. 83-79.
__________ (2012). “A pedra na cabeça. Herberto Helder, René Descartes, uma questão de loucura”. Textos & pretextos, nº 17, outono/inverno de 2012, pp.20-29.
FARRA, Maria Lúcia Dal (1986). A Alquimia da linguagem – Leitura da cosmogonia poética de Herberto Helder. Lisboa: Imprensa Nacional/ Casa da Moeda.
__________ (2000). “Posfácio”. In: HELDER, Herberto. O Corpo o luxo a obra. Seleção de Jorge Henrique Bastos. São Paulo: Iluminuras, 2000. p. 149-157.
FOUCAULT, Michel (2001). Ditos e escritos (vol. III). Rio de Janeiro: Forense Universitária.
FREITAS, Manuel de (2012). Uma espécie de crime: “Apresentação do rosto” de Herberto Helder. Lisboa: & etc.
HELDER, Herberto (1968). Apresentação do rosto. Lisboa: Ed. Ulisseia.
__________ (2010a). O bebedor Nocturno (poemas mudados para o português). Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (1980). Cena Vocal sobre fundo visual de Cruzeiro Seixas. Lisboa: Diário de Notícias, 19 de junho de 1980.
__________ (2007). “Cesariny sombra de almagre”. A Phala, 1#, 2007, pp. 55-58.
__________ (1997). Doze nós numa corda – poemas mudados para o português. Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (1985). Edoi Lelia Doura: antologia das vozes comunicantes da poesia moderna portuguesa. Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (2016). Letra aberta (poema inéditos escolhidos por Olga Lima). Porto: Porto Editora.
__________ (2010b). As magias (poemas mudados para o português). Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (2014). A morte sem mestre. Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (2006a). “O nome coroado”. Telhados de Vidro. Lisboa: Averno, nº6, 2006, pp. 155-167.
__________ (2003). “Nota inútil” in FORTE, António José. Uma faca nos dentes. Lisboa: Parceria A. M. Pereira.
__________ (2009). Ofício cantante. Lisboa Assírio & Alvim.
__________ (2005c). Os passos em volta. Rio de Janeiro: Azougue Editorial.
__________ (1997a). Oulof (poemas mudados para o português). Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (2006b). Photomaton & Vox. Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (1997b). Poemas ameríndios (poemas mudados para o português). Lisboa: Assírio & Alvim.
__________; CAMACHO, Carlos; FREITAS, Jorge (1954). Poemas bestiais. Funchal: Edição de autor.
__________ (2015a). Poemas canhotos. Porto: Porto Editora.
__________ (1978). “A poesia vitaliza a vida” (carta de Herberto Helder a Eduardo Prado Coelho), Abril – Revista de Reflexão Socialista, nº 1, Fevereiro, 46.
__________ (1958). “Relance sobre Afonso Duarte”. Folhas de Poesia. Lisboa: nº 3, p. 4-6, setembro de 1958.
__________ (1999). “Relance sobre a poesia de Edmundo de Bettencourt”. Poemas de Edmundo de Bettencourt. Lisboa: Assírio & Alvim, 1999, pp. 8-29.
__________ (2013). Servidões. Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (1971). Vocação Animal, “Coleção Cadernos de Poesia”. Lisboa: Publicações Dom Quixote.
__________ (2015b). “Turvações da inocência” In: DAL FARRA, Maria Lúcia. “Um devaneio brasileiro”. Relâmpago – Revista de Poesia, nº 36/37, Abril/Outubro de 2015, pp. 119-135.
HILST, Hilda (2005). O caderno rosa de Lori Lamby. São Paulo: Editora Globo.
__________ (2017). Da poesia. São Paulo: Companhia das Letras.
__________ (2003). Fluxo-Floema. São Paulo: Editora Globo.
__________ (2008). A obscena senhora D. São Paulo: Editora Globo.
LOPES, Silvina Rodrigues (2003). A inocência do devir – ensaio a partir da obra de Herberto Helder. Lisboa: Vendaval.
__________ (2009). “Investigações poéticas do terror”. Diacrítica – Revista do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, Série Ciências da Literatura, Braga, nº 23/3, 2009, pp. 169-177.
MACEDO, Helder (2013). “A utopia da negação”, Arte & Utopia (Ed Margarida Acciaiuoli, Ana Duarte Rodrigues, Maria João Castro, Paula André, Paulo Simões Rodrigues) CHAIA; DINÂMICACET-IUL; FCSH, Lisboa, 2013, pp. 237-244.
MAFFEI, Luis (2007). Do mundo de Herberto Helder. Tese de Doutorado. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
__________ (2011). “Os gregos antigos não escreviam necrológios” In: Soldado aos laços das constelações. São Paulo: Lumme Editor.
__________ (2015). “Herberto wanted”. Relâmpago – Revista de Poesia, nº 36/37, Abril/Outubro de 2015, pp. 53-72.
MAINGUENEAU, Dominique (2001). O contexto da obra literária. Tradução: Cecília P. de Souza-e-Silva e Décio Rocha. São Paulo: Martins Fontes.
MARINHO, Maria de Fátima (1982). Herberto Helder: a obra e o homem. Lisboa: Editora Arcádia.
MARTELO, Rosa Maria (2010). A forma informe: leituras de poesia. Lisboa: Assírio & Alvim.
__________ (2004). Em parte incerta, estudos de poesia portuguesa moderna e contemporânea. Porto: Campo das Letras.
__________ (2009). “Em que língua escreve Herberto Helder?”. Diacrítica – Revista do Centro de Estudos Humanísticos da Universidade do Minho, Série Ciências da Literatura, Braga, nº 23/3, 2009, pp. 151-168.
__________ (2012). “Herberto Helder, o nome da obra”. Gravura, Instalação e Poesia: a alegria de um encontro. Lisboa: CIEBA-FBAUL, 2012, pp. 44-48.
__________ (2016). Os nomes da obra: Herberto Helder ou o poema contínuo. Lisboa: Assírio & Alvim.
MARTINHO, Fernando J. B. (2013). Tendências dominantes da poesia portuguesa da década de 50. Lisboa: Edições Colibri.
PIMENTEL, Diana (2016). ca-ir. ao/centro. Lisboa: Edições Guilhotina.
__________ (s/d). Ver a voz, ler o rosto: uma polaroide de Herberto Helder. Porto: Campo das Letras.
PIMENTEL, Gláucia (2009). Ataques e Utopias: Espaço e Corpo na Obra de Roberto Piva. Doutorado em Literatura na Universidade Federal de Santa Catarina.
PIVA, Roberto (2008). Estranhos sinais de Saturno. São Paulo: Editora Globo.
__________ (2006). Mala na mão & asas pretas. São Paulo: Editora Globo.
__________ (2005). Um estrangeiro na legião. São Paulo: Editora Globo.
__________ (2009). Encontros: Roberto Piva. Rio de Janeiro: Azougue Editorial.
__________ (2016). Roberto Piva (Coleção postal). Rio de Janeiro: Azougue Editorial.
__________ (2016). Antropofagias e outros escritos. São Paulo: Editora Córrego.
SILVEIRA, Mariana Outeiro da (2016). Imagem retórica e imagem plástica: relações verbovisuais na obra Paranoia de Roberto Piva. Mestrado em Comunicação e Semiótica, PUC-SP. https://sapientia.pucsp.br/handle/handle/19556

Top