imagens
CONTRIBUTOS PARA A ESCOLA DO PORTO SANTO E O SEU TERRITÓRIO

No dia 20 de Maio de 2023, com a abertura da exposição de Duarte Belo, a Porta33 inicia o programa expositivo e editorial intitulado EIRA—contributos para a Escola do Porto Santo e o seu território projeto apoiado pela Direção-Geral das Artes e pela Secretaria Regional de Turismo e Cultura que tem a coordenação do curador Nuno Faria.

A Escola do Porto Santo, popularmente conhecida como a “escola da Vila”, é o epicentro do projecto EIRA.

Desde 2019, ano em que a Porta 33 reactivou este emblemático projecto de arquitectura da autoria de Chorão Ramalho, vem ali realizando um conjunto de acções de natureza artística e pedagógica.

A escola é, por definição, um lugar simbólico, ritualístico e iniciático. A Escola do Porto Santo é, também, um pólo agregador da comunidade, um lugar que convoca no imaginário de um largo espectro da população, intergeracionalmente, memórias e experiências.

Actualmente, a Escola do Porto Santo é, entre outras valências, um espaço que acolhe artistas em residência. O projecto EIRA parte, justamente, de um conjunto de residências artísticas unidas pelo mesmo propósito: mapear visualmente, materialmente ou sonicamente o território circundante.

Duarte Belo, Carolina Vieira, Mariana Viegas, Francisco Janes e Tomás Cunha Ferreira passaram períodos de tempo em residência na Escola do Porto Santo e o trabalho que ali conceberam e produziram será apresentado individualmente na Porta 33, no Funchal.

O trabalho destes artistas constituirá, igualmente, o fundo visual e sonoro da edição, com título homónimo que será publicada no final do projecto, em 2024.

Esta publicação, de carácter híbrido — entre catálogo de um projecto artístico e breve manual de introdução à história natural e humana do território — reunirá um conjunto de contributos de vários especialistas de diferentes campos disciplinares (a educação, a arte, a arquitectura, a história, a antropologia, a geologia e a geografia). Estão convocados, entre outros, João Baptista, Paulo Pires do Vale, Paulo David, Susana Fontinha, Ricardo Carvalho, Ana Tostões, Jorge Freitas Branco, Graça Alves, Nelson Veríssimo, Victor Mestre e Sofia Aleixo.

O projecto EIRA inscreve-se, assim, no modo sustentável e ecológico de programar que a Porta 33 vem construindo na abordagem ao território do Porto Santo e na interacção que vem estimulando com as pessoas que aqui vivem.

A palavra eira define, a um tempo, um lugar de produção, de trabalho, e também um lugar de festa, de celebração, de (re)união da comunidade em torno de uma data ou ritual simbólico.

É palpável, nos dias de hoje, a perda de um pensamento ritualístico, o desligamento das coisas em nosso redor, como se existíssemos apenas remotamente, imaterialmente, sem atrito, sem materialidade, sem os outros.

A eira, como uma escola, são também lugares de escuta, em que ouvimos o outro e em que tomamos a palavra.

Reavivar a memória da escola como lugar onde nos constituímos socialmente, onde aprendemos a viver em conjunto, onde descobrimos interesses, uma vocação, uma voz pública, é um dos princípios que guiam este projecto.

Curadoria e coordenação editorial
Nuno Faria

Artistas residentes (Escola do Porto Santo)
e exposições individuais (PORTA33, Funchal)
Duarte Belo
Carolina Vieira
Mariana Viegas
Francisco Janes
Tomás Cunha Ferreira

ESCUTA uma rádio na escola
Tomás Cunha Ferreira
Sónia Carvalho
Hélder Folgado

Colaborações
Paulo Pires do Vale
Susana Fontinha
Paulo David
Ricardo Carvalho
Ana Tostões
Victor Mestre e Sofia Aleixo
João Baptista
Cláudia Faria
Jorge Freitas Branco
Graça Alves
Nelson Veríssimo

Projecto Educativo
Catarina Claro
Carolina Vieira
Luísa Spínola

Organização
PORTA33
Cecília Vieira de Freitas
Maurício Pestana Reis

COMUNICAÇÃO SOCIAL